ALIMENTAÇÃO



 

 

ALIMENTOS PROIBIDOS PARA CALOPSITAS.

Devemos ter um cuidado especial com o que oferecemos às nossas calopsitas. Os principais perigos estão no:

  • Alface, que pode causar diarréia;

  • Abacate, pode matar nossa ave rapidamente,

  • Cafeina – Nunca ofereça cafeína para suas aves, nem mesmo aquele pãozinho molhado no leite com café, pois mesmo em pequenas quantidades, pode causar hiperatividade, vômitos, diarréia, batidas cardíacas irregulares e morte;

  • Chocolate – Causa os mesmos sintomas da cafeína;

  • Bebidas alcoólicas – As Calopsitas não conseguem metabolizar o álcool, podendo causar lesões cerebrais e morte;

  • Sal – Os psitacídeos não conseguem excretar sal como nós. Por isso, o consumo de sal causa excesso de urina e consumo de água, depressão, hiperatividade, tremores e até morte.

  • Gordura – o excesso de gordura pode causar doenças hepáticas, obesidade, diarréia, problemas nas penas, além de afetar a absorção de nutrientes;

  • Outros alimentos que devem ser evitados: folhas de batata, tomate e feijão, sementes e caroços em geral (principalmente os de maçã, damasco, cereja, pêra, ameixa, pêssego).

NUTRIÇÃO E DIETA

Há uma grande discussão na literatura sobre qual é a melhor dieta para uma calopsita. Nos últimos anos, muitas pesquisas têm provado que dietas baseadas apenas em sementes NÃO fornecem todos minerais, vitaminas e proteínas que
uma ave necessita (sementes não fornecem, por exemplo, vitaminas A, C, D, K, B12, todos os minerais e aminoácidos necessários).
Há um consenso de que a dieta deve ser variada, contendo sementes, vegetais, frutas e grãos, rações extrusadas e o que eles chamam de table food (aquilo normalmente ingerido por nós, humanos, como massas, pães, ovos e laticínios).


O que ainda não se estabeleceu é qual a proporção correta de cada grupo de alimento na dieta. Alguns defendem que as rações extrusadas devem perfazer 80% da dieta, outros apenas 20%. Alguns defendem dar apenas 10% de sementes, outros aceitam até 70%
em função do baixo custo das sementes.

Toda essa discussão deriva da constatação óbvia de que uma dieta balanceada e saudável é vital para a vida prolongada de sua ave. Deficiências nutricionais acarretam redução no tempo de vida, falta de energia, queda do sistema imune, fraqueza muscular, danos nervosos, problemas nos
órgãos, anorexia, ovo preso e pioram muitas doenças. Por isso, é melhor que cada proprietário use seu bom senso e analise se cabe no bolso ou mesmo se ele não deve comprá-lo.

Abaixo, estão os principais grupos de alimentos que devem ser fornecidos para sua ave.
 Carboidratos: são divididos em amidos (carboidratos complexos, que fornecem a energia para o metabolismo diário) e açúcares (carboidratos simples, sem valor nutricional). Os amidos são encontrados principalmente em pães, cereais, arroz e macarrão.
 Proteínas: são os constituintes dos tecidos corporais, vitais para o crescimento e manutenção corporal, além de atuarem como enzimas (catalisando as reações químicas metabólicas corporais). Presentes nos laticínios (iogurte, queijo), feijão, ovos, castanhas.
 Gordura: são fonte de energia, essenciais no metabolismo e para absorção de cálcio e vitaminas (A, D, E, K), São encontrados nos grãos, sementes e castanhas. Deve-se sempre escolher sementes com menor conteúdo de gordura, como painço, aveia, alpiste e amendoim, dando em menor quantidade
as mais oleaginosas, como girassol. Muitas pessoas fornecem sementes germinando para suas aves, que possuem alto conteúdo protéico.
 Vitaminas: divididas em A, B, C, D, E e K. Cada uma possui uma função específica e importante no corpo, sendo que sua falta pode acarretar graves problemas de saúde. Atuam no crescimento, no metabolismo, na construção dos tecidos, na resposta a estresse e doenças. Elas são encontradas nos vegetais (brócolis, couve, espinafre, pimenta, couve-flor, cenoura, abóbora, ervilha, milho verde, tomate, beterraba, batata-doce), frutas (laranja, limão, tangerina, morango, melão, maçã, banana, mamão, melão, uva, pêra, pêssego), ovos, grãos, aveia, gérmen de trigo, trigo. É sempre bom lembrar que a vitamina D, assim como nos humanos, promove a absorção de cálcio (vital para os ossos), e é sintetizada a partir da luz solar (UV).

Um problema ao se tentar mudar os alimentos das aves é que elas são muito reticentes a novos alimentos.

Há muitas técnicas para fazer com que seu pássaro coma algo novo, mas todas requerem uma certa dose de tempo e paciência.
A técnica mais comum consiste em misturar o novo alimento na comida a qual a ave é acostumada, e acrescentar um estimulador de apetite.
Outra técnica consiste em fornecer o novo alimento na parte da manha, e substituí-lo à tarde pelo que seu pássaro já está habituado (ou vice-versa). Nunca use este método sem saber o peso em gramas de sua ave.

Um último ponto a ser abordado é o fornecimento de sementes brotando.
Muitas pessoas têm defendido o uso de tais alimentos, por serem ricos em proteínas, vitaminas e minerais e pobres em gorduras. Para ter sementes em germinação, basta pegar sementes de girassol, lentilha, feijão, gergelim (ou qualquer outra que queira) e mergulhar em água durante uma noite. No outro dia, a água deve ser despejada, e as sementes devem ser molhadas todo dia, até brotarem. Elas podem ser congeladas, para serem fornecidas depois.
Claro que tudo o que foi discutido gera altos custos na criação das aves, e são recompensados por aves fortes, grandes, bonitas e Saudáveis, diferente de muitas aves, que cruelmente são criadas somente com sementes de painço e girassol (vulgarmente conhecida como mistura de calopsita ) para atenderem a compradores que buscam o menor preço, e acabam em pouco tempo perdendo a ave ou gastando fortunas em veterinários com os problemas crônicos que essa dieta inadequada traz.